Cultura e arte nas estações​

As estações se transformaram em galerias de arte a céu aberto, com várias exposições incluindo trabalhos fotográficos, artesanatos, esculturas, entre outros, levando cultura aos usuários. Em 2006, foram 15 exposições, 24 apresentações musicais de diversos tipos - do forró ao rock, passando pela música clássica -, cinco peças teatrais, cinco espetáculos de dança, além de workshop, capoeira e de uma intervenção artística no rio Pinheiros.

O acervo permanente de obras de arte das estações ainda recebeu a doação do “Painel Estação da Luz”, confeccionado pela artista plástica Teresa Saraiva. Composta por 14 módulos em ferro fundido, medindo 1,20m de altura, por 6,20m de comprimento, a obra foi executada com desenhos realizados na própria estação.

No primeiro semestre de 2007, a CPTM bateu seu próprio recorde no número de eventos realizados em estações para os usuários. No total, foram 11 exposições, 32 apresentações musicais, quatro peças de teatro, seis espetáculos de dança, quatro intervenções artísticas, dois desfiles de moda, além de avaliações de saúde, capoeira e tai chi chuan.

A mostra “Imagem da Cidade” abriu as atividades do ano, no Espaço Cultural CPTM, reunindo 24 fotos em P&B (ampliadas em 50 cm x 75cm) que retratam pontos históricos e culturais da capital paulista.

Em fevereiro, as festividades tiveram continuidade com o Grito de Carnaval realizado pela escola de samba Mocidade Independente da Zona Leste. Já a Operação Praia Segura deu dicas de segurança para os foliões com destino às praias, no litoral. A empresa estreou também o projeto Fala Aí Comunidade, que levou à Estação Brás moradores do Grajaú, com quatro shows, desafio de MC’s, exibição de curta metragens, grafitagem e uma exposição fotográfica.

No mês da mulher, a companhia teve uma programação intensa, com diversos eventos para homenageá-las. A Expo-Mulher 2007 reuniu caricaturas de mulheres famosas, artes em aquarela e xilogravura; o musical “Um Pouco de Ilusão, Poesia e Canção”, com obras de Vinícius de Moraes; a mostra “Movimento Iluminação”, da artista Adriana de Castro; “Mulheres no Graffiti”, com cinco grafiteiras; a peça “Um caminho para a máscara teatral” e apresentações de dança do ventre de Mônica Nassif. Além disso, a intervenção artística “Me mostre o que eu ainda não vi”, da trupe OPOVOEMPÉ, surpreendeu quem passava pela Estação da Luz.

Ainda em março, o Fala Aí Comunidade teve continuidade com um grupo do Pantanal, na Zona Leste, que levou capoeira, grafite, duas peças teatrais e dança de rua para o Espaço Cultural Brás. Na Linha C, a Estação Hebraica-Rebouças foi sede da exposição “Criando Novos Caminhos”, com 18 telas criadas por jovens com idade entre 14 e 24 anos, moradores do Jardim Marieta, em Osasco. Dois eventos de saúde também permitiram que os usuários da Luz e do Brás fizessem um check up enquanto retornavam para casa.

Em abril, cinco grupos de axé, um de samba, um de hip hop, apresentações de capoeira e grafitagem marcaram a terceira edição do Fala Aí Comunidade, que, desta, vez trouxe moradores de São Miguel Paulista. Como é o mês da Páscoa, a CPTM realizou também uma oficina com 50 crianças da Zona Leste para ensinar a confecção de embalagens para chocolates. Além disso, a mostra “Criando Novos Caminhos” foi exposta novamente, desta vez na Estação Santo André.

No mês de aniversário da companhia, maio, os presenteados foram os próprios usuários, com uma série de atrações durante todo o período. Para iniciar os festejos, a empresa propôs um concurso de desenhos, cujo resultado originou a Mostra CPTM 15 Anos. Também participaram das comemorações o Coral da CPTM, a Férrea Jazz Band, a banda The Dorments e a Zambow. Com uma grande programação musical, que reuniu viola sertaneja, reggae, hip hop e samba, foi realizado o 4° Fala aí Comunidade, com moradores de Suzano. O projeto contou ainda com a peça “A Igreja”, uma exposição de literatura de cordel e a mostra “Índios”.

No mesmo mês, a companhia participou da Virada Cultural, com intervenções artísticas na Lapa A e na Estação da Luz, e do Dia do Desafio, com alongamento, capoeira, tai chi chuan, performances de bicicleta, dança cowntry, coral e apresentações de cães guias.

Em junho, o glamour ficou por conta do CPTM Fashion Show, com dois desfiles, shows de pagode, artistas mirins e com o cantor pop Maurício Manieri, dança do ventre e cortes de cabelo gratuitos. No dia 12, enquanto muitos curtiram o clima romântico da apresentação musical de Adaud, em homenagem ao Dia dos Namorados, uma quadrilha com 40 crianças lembrou também do Dia Mundial Contra o Trabalho Infantil.

No Dia do Meio Ambiente, a CPTM distribuiu três mil mudas de plantas cultivadas em seu próprio viveiro para os usuários da Linha F. E, para encerrar o semestre no clima de festa junina, foi realizada a quinta edição do Fala Aí Comunidade com muito forró, além de apresentação do grupo Arte na Lata e street dance.

O projeto “Fala aí, Comunidade”, da CPTM, teve início em fevereiro de 2007, com os moradores do bairro do Grajaú, da Zona Sul. O objetivo da iniciativa é estreitar o relacionamento da companhia com a sociedade, ao mesmo tempo em que abre espaço para a divulgação e valorização da produção cultural que ocorre nos 22 municípios atravessados pelos 253,2 km de vias operacionais da CPTM.

Para celebrar o Dia Mundial do Rock comemorado em 13 de julho, a CPTM organizou uma semana inteira repleta de shows. Trata-se da IV Rock nos Trilhos que contou com a participação de 10 bandas alternativas e performances de grafite, no Espaço Cultural da Estação Brás, entre os dias 16 e 20/07.

Denominado CPTM Pet Show, a CPTM realizou em agosto de 2007, um evento levou informações aos usuários sobre a vacina e os locais onde estão sendo aplicadas, além de orientar sobre a escolha da raça correta do animal e processos de adoção. Complementando a programação, apresentações do Coral do Centro de Controle de Zoonose, do Grupo Se Liga, dos Cães do Resgate dos Bombeiros, dos Cães da Guarda Civil Metropolitana e da Associação Cão Guia de Cegos com performance com os usuários. Com o CPTM Pet Show, a CPTM cumpre o objetivo de levar ao público o conceito da guarda responsável de animais domésticos, ajudando a prevenir os riscos da raiva, doença grave tanto para os animais quanto para seus donos. ​​